Log in
A+ A A-
Mundo

Mundo (660)

Colisão de trens deixa mais de 40 feridos nos EUA

Quarenta e duas pessoas ficaram feridas na madrugada desta terça-feira em uma colisão entre dois trens na Filadélfia, leste dos Estados Unidos.

O choque aconteceu às 00H15 (1H15 de Brasília) entre um trem de grande velocidade e outro que estava parado e sem passageiros no Terminal da Rua 69, explicou à AFP Heather Redfern, porta-voz da Southeastern Pennsylvania Transportation Authority.

"As 42 pessoas que estavam a bordo do trem em circulação ficaram feridas, mas suas vidas não correm perigo", disse.

Uma investigação foi iniciada para determinar as causas da colisão.

 

Um descarrilamento no metrô de Nova York em 27 de junho deixou 36 feridos e provocou pânico entre os passageiros.

Polícia identifica o motorista da van do atentado de Barcelona

A polícia catalã anunciou nesta segunda-feira que "identificou o motorista do atentado de Barcelona" que matou 13 pessoas na última quinta-feira, minutos depois que o governo regional designou como fugitivo o marroquino, de 22 anos, Younes Abouyaaqoub. As polícias europeias foram notificadas da informação para ampliar a busca pelo foragido na Europa. O número de mortos nos atentado, em Barcelona e Cambrils, subiu para 15, segundo o governo.

Pessoas se reúnem em um memorial às vítimas do ataque. Flores, mensagens e velas foram deixadas nas RamblasPolícia espanhola procura imã suspeito de radicalizar jovens

"Identificado o motorista do atentado de Barcelona", escreveu a polícia catalã no Twitter sem dar o nome, depois que o ministro do Interior, Joaquim Forn, disse em entrevista à Catalunya Radio que "tudo aponta" para Abouyaaqoub. "Temos que falar com as polícias europeias para divulgar a identidade porque esta pessoa (...) seria procurada em todos os países europeus".

Imagens de câmera de segurança mostraram Younes fugindo pelo mercado La Boquería, cuja entrada principal fica nas Ramblas, avenida onde o criminoso atropelou centenas. Segundo chefe da polícia catalã, Josep Lluís Trapero, após passar pelo mercado, o criminoso foi correndo em direção à Zona Universitária. As provas da polícia que confirmam a autoria de Abouyaaqoub do ataque são documentos no furgão, o aluguel do veículo, evidências científicas e testemunhas que o viram durante a fuga.

— Abouyaaqoub tem o fisíco normal, com aproximadamente 1,80m, pele escura, cabelo curto, poderia estar de barba e ter trocado de roupa apesar de não ter passado em casa — detalhou o Departamenoto de Interior catalão.

Forn disse ainda que as autoridades não dispõem de "nenhum dado no momento que nos faça pensar que pode estar fora do país, mas é evidente que temos que trabalhar com todas as hipóteses". Questionado se os investigadores descartavam a possibilidade da morte do jovem na véspera do atentado, na explosão registrada em uma casa na qual a célula terrorista preparava material explosivo, Forn foi enfático: "Se foi a pessoa que causou o atropelamento, não pode estar morto".

O motorista da van dirigiu pela popular e movimentada avenida de Las Ramblas a toda velocidade correndo por cerca de 500 metros, saiu do veículo e fugiu a pé, continuando a fugir.

Nesta última cidade costeira, ao sul de Barcelona, mataram mais uma pessoa, aumentando para 14 o número de mortos.

Dos demais 11 integrantes da célula terrorista, cinco foram mortos no atentado de Cambrils, quatro estão detidos e as autoridades suspeitam que dois morreram na explosão de uma casa em Alcanar na semana passada.

 

 

Senadora australiana veste burca para pedir proibição da vestimenta

Líder da extrema direita australiana, a senadora Pauline Hanson usou uma burca no Parlamento do país nesta quinta-feira para anunciar o posicionamento de seu partido, que defende a proibição na Austrália da vestimenta usada por muitas mulheres muçulmanas. A campanha da senadora provocou rápida repreensão do governo e de organizações islâmicas.

Equipes de resgate reviram escombros após atentado terrorista em Oklahoma, em 1995: responsável por ataque que matou 168 foi ex-soldado de extrema-direitaNos EUA, extrema-direita comete mais ataques que terroristas islâmicos

Os ex-presidentes dos Estados Unidos George H.W. Bush (à esquerda) and George W. Bush (à direita)Bush afirma que EUA devem rejeitar preconceito racial

O presidente dos EUA, Donald TrumpMídia americana sinaliza alinhamento de Trump à extrema direita

A entrada de Hanson com a roupa islâmica surpreendeu outras autoridades. O procurador-geral, George Brandis, condenou a atitude, classificando-a como uma ofensa a grupos religiosos, e foi aplaudido por membros dos partidos da oposição. Em discurso firme, Brandis afirmou que as ações da senadora podem isolar cerca de 500 mil australianos que aderiram à fé islâmica.

"Ridicularizar essa comunidade, levá-la a um canto, zombar de suas roupas religiosas, é uma coisa terrível a fazer, e eu gostaria de lhe propor uma reflexão sobre o que você fez", disse Brandis. "Não, senadora Hanson, não proibiremos a burca", completou.

Hanson sentou-se no assento na assembleia por cerca de 20 minutos coberta pela burca antes de removê-la para pedir que fossem banidas em público por razões de segurança nacional.

"Estou muito feliz em remover isso porque isso não é o que deveria pertencer a este Parlamento", disse Hanson ao Senado. "Se uma pessoa usa um balaclava ou um capacete em um banco ou qualquer outro edifício, ou mesmo no tribunal, deve ser removida. Por que não é o mesmo caso para alguém que está cobrindo o rosto e não pode ser identificado?", questionou a senadora, antes de ser repreendida por Brandis.

stest

"Eu não vou fingir ignorar o golpe que você tentou puxar hoje chegando vestida com uma burca", disse ele, atraindo votos dos membros do Senado.

Hanson, que ganhou notoriedade na década de 1990 por causa de sua estridente oposição à imigração da Ásia e aos requerentes de asilo, tem feito campanha nos últimos anos contra a roupa islâmica e a construção de mesquitas.

Seu partido tem quatro senadores, o que lhe dá influência no parlamento, quando uma legislação intimamente contestada está sendo votada.

 

Adel Salman, vice-presidente do Conselho Islâmico do estado de Victoria, disse que a ação de Hanson era "uma burla de sua posição". "É muito decepcionante, mas não é surpreendente, pois procurou zombar a fé islâmica uma e outra vez".

Após batalha judicial, Crocs perde a patente de sandália mundialmente famosa

A fabricante americana de calçados Crocs perdeu uma disputa judicial pela patente do seu produto mais famoso, o tamanco de tipo clog. A empresa acusava sua maior concorrente, a USA Dawgs, e outras fabricantes de terem copiado o famoso design emborrachado do tamanco, e exigia reparações financeiras. A Agência de Patentes e Marcas Registradas dos EUA, entretanto, rejeitou a acusação, afirmando que um pedido de registro do mesmo modelo já tinha sido publicado mais de um ano antes de a Crocs solicitar a patente.

A batalha nos tribunais durou cinco anos e pode significar para a Crocs a perda de uma fatia considerável do mercado de calçados. Apesar de serem consideradas "feias" por muita gente, as sandálias de plástico do tipo 'clog' venderam milhões de unidades em todo o mundo, e conquistaram uma legião de fãs por serem considerados muito confortáveis - entre eles, alguns atores famosos de Hollywood e até famosos chefes de cozinha.

De acordo com o site de notícias Footwear News, especializado na cobertura do setor de sapatos, a decisão de rejeitar a patente da Crocs foi da advogada de moda de Nova York Elizabeth Kurpis, que integra a Agência de Patentes e Marcas Registradas. Segundo ela, a empresa tem 30 dias a partir do dia 11 de agosto para apresentar recursos contra a decisão. Se isso não acontecer, perderá para sempre o direito de requerer a propriedade intelectual do design do tamanco clog.

Imbróglios judiciais entre a Crocs e a USA Dawgs ocorrem desde 2006 nos tribunais americanos. Em agosto do ano passado, por exemplo, a Dawgs apresentou uma queixa de 110 páginas em que acusava 18 funcionários e diretores da Crocs de violar as leis antitruste dos Estados Unidos, a fim de ajudar a empresa a obter uma vantagem desproporcional no mercado.

 

O tamanco da Crocs foi lançado em 2002 por três entusiastas de esportes náuticos, que desenvolveram um material leve, à prova d'água e antiderrapante. A empresa está sediada na cidade de Niwot, no estado do Colorado, nos Estados Unidos.

A partir da semana que vem, Big Ben ficará em silêncio por quatro anos

O Big Ben deixará de marcar as horas por quatro anos a partir de 21 de agosto próximo para a restauração do famoso relógio e da torre do Parlamento britânico - informou a instituição nesta segunda-feira (14).

"Na segunda 21 de agosto ao meio-dia, as famosas campanadas do Big Ben soarão pela última vez antes do início de grandes obras de reforma", anunciou o Parlamento em um comunicado.

"As campanadas voltarão a marcar as horas no decorrer de 2021", acrescenta o comunicado, sem especificar uma data.

"O silêncio do Big Ben é um marco nesse projeto crucial de manutenção. Como encarregado do grande relógio tenho a honra de garantir que essa peça de engenharia vitoriana está nas melhores condições dia a dia", disse Steve Jaggs, responsável pelo monumento.

"Este programa essencial de obras protegerá o relógio em longo prazo, além de proteger e preservar seu lar, a Torre Elizabeth", acrescentou Jaggs, convidando o público a "se concentrar na Praça do Parlamento para ouvir as últimas campanadas, até seu retorno em 2021".

As obras servirão para restaurar e reparar a esfera do relógio e seu mecanismo, suas campainhas e a estrutura dessa torre de 96 metros construída em 1856.

Também será instalado um elevador, como alternativa aos 334 degraus que levam ao alto da torre.

O nome Big Ben se refere estritamente ao sino do grande relógio, mas é usado, em geral, para dar nome ao conjunto da torre e seu relógio.

O sino pesa 13,7 toneladas e soa a cada hora. É acompanhado de outros quatro sinos a cada 15 minutos.

 

O Big Ben funcionou quase sem interrupções nos últimos 157 anos, salvo em duas pausas de manutenção e renovação em 2007 e em 1983-85.

Ataque terrorista contra restaurante em Burkina Faso deixa 18 mortos

Um ataque executado por supostos extremistas contra um restaurante na capital de Burkina Faso no domingo à noite deixou 18 mortos, informou o governo nesta segunda-feira ao anunciar o fim da operação das forças de segurança contra os criminosos.

O "ataque terrorista" contra o restaurante Istanbul também deixou vários feridos e terminou com dois criminosos morto, informou o ministro da Comunicação, Remis Dandjinou.

O número total de envolvidos no ataque não foi determinado até o momento.

O ministro informou, no entanto, que as operações de "rastreamento e verificação de imóveis adjacentes" prosseguiam nesta segunda-feira.

A troca de tiros chegou ao fim às 5H00 (2H00 de Brasília).

Antes do anúncio sobre o final do ataque, Dandjinou afirmou que várias pessoas eram mantidas como reféns e que algumas haviam sido liberadas, sem revelar detalhes.

O ministro mencionou vítimas "de diferentes nacionalidades".

Ao menos uma pessoa de nacionalidade francesa e outra de nacionalidade turca estão entre os mortos, de acordo com os respectivos governos.

O restaurante Istanbul fica a 200 metros do café Cappucino, que em janeiro de 2016 foi alvo de um violento ataque extremista, reivindicado pela Al-Qaeda no Magreb Islâmico (AQMI) e que deixou 30 mortos e 71 feridos, em sua maioria estrangeiros.

"De acordo com testemunhas, pelo menos dois criminosos chegaram de moto às 21H00, armados com fuzis kalashnikovs, e abriram fogo contra o restaurante Istanbul", declarou à AFP um policial que pediu anonimato.

O presidente de Burkina Faso, Roch Marc Christian Kaboré, condenou o atentado na capital do país em uma mensagem no Twitter.

"Condeno com a maior energia o abjeto atentado que cobriu Uagadugu de luto", escreveu.

"A luta contra o terrorismo é um combate muito longo, mas Burkina Faso superará esta adversidade porque seu povo corajoso vai resistir sem concessão ao terrorismo", completou.

- Ação das forças de segurança -

Um garçom do restaurante afirmou que viu quando "três homens desceram de um jipe às 21H30 e abriram fogo contra os clientes" do Istanbul, que é muito frequentado por estrangeiros.

Depois de isolar a área do restaurante, as forças de segurança iniciaram uma operação às 22H15 locais contra os criminosos entrincheirados no restaurante.

Os tiros, intensos no início da ação, se tornaram esporádicos após algumas horas.

Um vídeo publicado no Twitter mostra várias pessoas correndo e gritando pelas ruas. Poucos segundos depois é possível escutar os tiros.

Na manhã desta segunda-feira o perímetro ao redor do restaurante permanecia fechado. Uma unidade especializada da polícia foi enviada ao local para obter mostras para a investigação e iniciar a identificação das vítimas.

Os feridos foram levados para o hospital Yalgado Ouedraogo.

"Estamos lotados", admitiu um cirurgião, que pediu anonimato à AFP.

"Recebemos uma dezena de feridos, três deles morreram. A situação de outros feridos é muito crítica", completou.

O prefeito de Uagadugu, Armand Béouindé, anunciou que o ministro da Segurança, Simon Compaoré, e o ministro da Energia, Alpha Omar Dissa, seguiram para o local do ataque.

Burkina Faso, país que tem fronteira com Mali e Níger, foi cenário de vários ataques jihadistas desde 2015.

O mais violento, em janeiro de 2016, teve como alvos o hotel Splendid e o café Cappuccino, com um balanço de 30 mortos.

Em dezembro do mesmo ano, 12 soldados morreram em uma ação contra um regimento na região norte do país. Dois meses antes, quatro militares e dois civis morreram em um ataque.

O país do oeste da África, pobre e sem acesso ao mar, repetiu diversas vezes a necessidade de trabalhar para "lutar contra o terrorismo" em conjunto com a vizinha Costa do Marfim, também afetada por um atentado jihadista em 2016 que deixou 19 mortos.

Carro atropela militares de patrulha antiterrorista na França

Um carro atropelou uma patrulha antiterrorista, deixando seis feridos, nesta quarta-feira (9), em Levallois Perret, perto de Paris, na França. As equipes que buscam combater ataques extremistas passaram a atuar no país depois dos atentados de 2015.

Segundo a Associated Press, um homem foi preso na região norte de Paris, e as autoridades investigam se ele está ligado com o incidente.

A procuradoria antiterrorista investiga o caso. A administração municipal informou que policiais estão em busca do motorista e, por enquanto, não descartam nenhuma hipótese. A operação policial procura por um veículo BMW preto.

Dois dos feridos foram internados em estado grave. Eles foram levados para o hospital militar Percy, em Clamart, informou a TV BFM.

O incidente aconteceu por volta das 8h30 locais (3h30 de Brasília) perto da Câmara Municipal de Levallois Perret, na periferia oeste de Paris. O atropelador fugiu.

A prefeitura de Levallois Perret indicou que a unidade antiterrorista atingida era formada por 16 agentes.

Ainda não se sabe se foi uma ação voluntária com motivação terrorista ou se foi um acidente, acrescentou o governo municipal.

Em declarações à emissora "France Info", o prefeito da localidade, o conservador Patrick Balkany, considerou "intolerável" e "vergonhosa" a "agressão" contra os militares.

A ação acontece quatro dias depois que um jovem de 18 anos tentou entrar com uma faca na Torre Eiffel aos gritos de "Deus é Grande" em língua árabe. O agressor, que foi rendido pelas forças da ordem, tinha uma permissão do hospital psiquiátrico em que estava internado e para onde voltou a ser levado após ser examinado por especialistas.

No entanto, a Procuradoria Antiterrorista abriu uma investigação por "tentativa de assassinato", e por "associação criminosa com fins terroristas", depois que, durante a sua detenção, o jovem assegurou que mantém contato com o grupo jihadista Estado Islâmico (EI).

O presidente francês, Emmanuel Macron, não se manifestou e segue os desdobramentos na sede do governo.

 

As equipes antiterroristas contam com 10 mil agentes em todo o país. Elas patrulham a França desde 2015, depois de uma série de ataques coordenados deixou mais de 100 mortos e centenas de feridos na casa de shows Bataclan, em restaurantes de Paris e no Stade de France, em Paris e Saint-Denis.

Coreia do Norte ameaça responder sanções com 'mar de fogo'

Coreia do Norte ameaçou neste domingo (6) responder com "um mar de fogo" às ações militares ou às sanções contra eles, após a adoção na véspera de novas medidas de pressão sobre Pyongyang por parte do Conselho de Segurança (CS) da ONU.

As ameaças foram feitas através de editorial no jornal oficial norte-coreano "Rodong Sinmun".

O artigo acusa os Estados Unidos e seus aliados de manter sua política "hostil" contra o país e de arriscar-se à "autodestruição", destacando a necessidade de que a Coreia do Norte conte com armas nucleares para se defender.

"O empenho do grupo de Trump em continuar neste atoleiro só terá como consequência motivar mais o nosso Exército, e dar mais razões à República Popular Democrática da Coreia (nome oficial do país) para possuir armas nucleares", destacou o jornal do Partido dos Trabalhadores.

"A capacidade de começar uma potente guerra dissuasória é uma escolha estratégica de defesa para nosso povo, que já atravessou um conflito bélico horrendo", acrescentou o editorial.

As sanções adotadas no sábado pelo CS elevam a pressão ao regime liderado por Kim Jong-un com vetos a vários setores da sua economia, e enviam uma mensagem de unidade contra a ameaça "global" que representa seus testes com mísseis.

Os 15 países do organismo adotaram por unanimidade uma resolução que há um mês era negociada e que reduz em US$ 1 bilhão por ano os investimentos que o regime de Pyongyang obtém com suas exportações.

 

Concretamente, o texto inclui o veto às exportações de carvão, de ferro, chumbo e mariscos.

EUA proíbem viagens à Coreia do Norte a partir de 1º de setembro e dizem que americanos devem deixar o país

Uma restrição de viagens de portadores de passaporte norte-americano para a Coreia do Norte entrará em vigor em 1º de setembro e norte-americanos no país devem sair antes desta data, informou nesta quarta-feira (2) o Departamento de Estado norte-americano.

 

Jornalistas e trabalhadores humanitários podem solicitar exceções à restrição, informou o departamento em nota pública.

O governo dos EUA informou no mês passado que iria proibir norte-americanos de viajarem à Coreia do Norte por conta do risco de “detenção de longo prazo” no país.

A restrição acontece em um momento de tensões elevadas entre os EUA e Coreia do Norte, que tem trabalhado para desenvolver um míssil capaz de levar uma ogiva nuclear capaz de atingir os EUA. A Coreia do Norte irá se tornar o único país para o qual norte-americanos são impedidos de viajar.

A decisão de proibir viagens à Coreia do Norte foi tomada após o caso do estudante norte-americano Otto Warmbier. Ele foi sentenciado no ano passado a 15 anos de trabalho forçado na Coreia do Norte, voltou aos EUA em coma em 13 de junho após ser libertado por razões humanitárias, e morreu em 18 de junho. As circunstâncias em torno da morte ainda não são claras, incluindo o motivo de Warmbier ter entrado em coma.

 

A Coreia do Norte informou através de sua mídia estatal que a morte de Warmbier foi “um mistério” e rejeitou acusações de que ele teria morrido como resultado de tortura e agressões na prisão.

Oito pessoas mortas são encontradas dentro de caminhão no Texas

Oito pessoas foram encontradas mortas dentro de um caminhão estacionado em um centro comercial em San Antonio, no Texas (EUA), informou a polícia local neste domingo (23). O fato é tratado pelas autoridades como um caso de tráfico de pessoas. A agência France Press fala em outros 28 feridos, possivelmente imigrantes.

Todas as vítimas eram jovens e adultos entre 20 e 30 anos, disse o chefe da polícia de San Antonio, William McManus, em entrevista coletiva. Vinte dos feridos estão em estado grave e foram levados a sete hospitais da região.

O motorista do caminhão foi detido, segundo o delegado. O veículo foi encontrado graças a um funcionário do Walmart, que resolveu ligar para a polícia quando uma pessoa que estava em um caminhão de carga estacionado em frente à loja se aproximou para pedir-lhe água.

"O funcionário voltou com a água, chamou a polícia e, quando chegamos, encontramos oito pessoas mortas na parte traseira do veículo", contou McManus, que classificou o caso como uma "tragédia terrível".

O chefe de bombeiros de San Antonio, Charles Hood, disse na mesma coletiva de imprensa que o ar condicionado do veículo não funcionava e não havia água. "Estavam muito quentes ao tato", disse Hood sobre as vítimas, sem detalhar por quanto tempo o caminhão ficou estacionado em San Antonio.

Segundo McManus, as câmeras de seguranças mostram que vários veículos ajudaram socorrer as pessoas que estavam dentro do caminhão sem ar condicionado. "Estamos investigando se trata-se de um delito de tráfico de pessoas", acrescentou a polícia, que notificou o caso aos serviços de imigração.

Situação frequente

San Antonio fica a poucas horas de carro da fronteira com o México. O clima na região está seco e bem quente. Este não foi, segundo a polícia, um caso isolado: "Isso ocorre com frequência durante a noite", disse McManus.

Migrantes, principalmente provenientes do México e da América Central, cruzam clandestinamente a fronteira americana todos os dias. No trajeto, são levados por traficantes de pessoas conhecidos como 'coiotes', que não raramente abondanam os migrantes que transportam para tentar escapar das autoridades.

 

Muitos migrantes têm sido encontrados abandonados e mortos no norte do México em caminhões abandonados.

Subscribe to this RSS feed
Sportbook sites http://gbetting.co.uk/sport with register bonuses.