Log in
A+ A A-

Redação

Lula e Gilberto Carvalho se tornam réus por corrupção passiva

A Justiça Federal em Brasília aceitou na noite desta terça-feira (19) denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro Gilberto Carvalho por corrupção passiva em um dos processos da Operação Zelotes. Com a decisão, proferida pelo juiz federal Vallisney de Oliveira, os acusados se tornam réus no processo.

De acordo com a denúncia, Lula, Carvalho e mais cinco investigados são acusados de beneficiar montadoras de veículos por meio da edição de medidas provisórias. As empresas automobilísticas teriam prometido R$ 6 milhões a Lula e Carvalho em troca de benefícios para o setor, afirmam os procuradores do caso.

“Diante de tal promessa, os agentes públicos, infringindo dever funcional, favoreceram as montadoras de veículos MMC [Mitsubishi] e Caoa ao editarem, em celeridade e procedimento atípicos, a Medida Provisória n° 471, em 23/11/2009, exatamente nos termos encomendados, franqueando aos corruptores, inclusive, conhecimento do texto dela antes de ser publicada e sequer numerada, depois de feitos os ajustes encomendados”, afirma o MPF.

Em nota divulgada à imprensa, o advogado Cristiano Zanin, representante de Lula, afirmou que o ex-presidente nunca solicitou, aceitou ou recebeu valores em contrapartida aos seus atos como presidente da República.

“A inocência do ex-presidente Lula deverá ser reconhecida também neste processo porque ele não praticou qualquer ilícito. A denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal não tem materialidade e deve ser compreendida no contexto de lawfare [guerra jurídica, em tradução livre] que vem sendo praticado contra Lula, usando de processos e procedimentos jurídicos para fins de perseguição política”, diz a nota.

  • Published in Brasil

Sobe para 224 o número de mortos em terremoto no México

O número de mortos por causa do terremoto de magnitude 7,1 na escala Richter, que atingiu nessa terça-feira (19) o centro do México, subiu para 224, informou hoje (20) o secretário de Governo, Miguel Ángel Osorio.

Em entrevista à emissora Televisa, Osorio disse que há 117 mortos na Cidade do México, 39 no estado de Puebla, 55 em Morelos, 12 no estado do México e um em Guerrero. Outros relatórios falam de três mortos em Guerrero.

Além disso, existem 45 edifícios totalmente destruídos, e em seis deles acredita-se que existam pessoas soterradas.

O presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, estabeleceu como prioridade o resgate de pessoas soterradas e o atendimento aos feridos. "A prioridade neste momento é continuar o resgate de quem ainda está preso e dar atendimento médico aos feridos", afirmou Peña Nieto, em mensagem em cadeia nacional, após percorrer alguns pontos da Cidade do México.

O presidente destacou que milhares de integrantes do Exército, da Marinha e Polícia Federal estão ajudando a população.

Peña Nieto disse que trabalha "em plena coordenação" com o chefe do Governo da Cidade do México, Miguel Ángel Mancera, e com os governadores de Puebla e Morelos, "que sofreram os maiores danos". Acrescentou que os serviços de urgência estão disponíveis para todas as pessoas que precisem de atenção.

"Lamentavelmente, muitas pessoas perderam a vida, incluindo meninas e meninos em escolas, edifícios e casas", disse Peña Nieto, que manifestou condolências a todos que perderam parentes ou amigos.

Em declarações a jornalistas, enquanto visitava a região onde uma escola desabou na Cidade do México, o presidente informou que pelo menos 20 crianças e dois adultos morreram e 38 pessoas estão desaparecidas. Ao lado de Mancera, Peña Nieto afirmou que 30 crianças e oito adultos estão desaparecidos no Colégio Enrique Rebsamen.

Ele lembrou que mais de 500 integrantes do Exército e da Secretaria da Marinha, assim como 200 da Proteção Civil, trabalham para encontrar sobreviventes entre as ruínas, onde 14 crianças já foram resgatadas com vida.

  • Published in Mundo

Com entrada gratuita, ópera “A Flauta Mágica” é apresentada no Theatro Municipal de Paulínia

A ópera “A Flauta Mágica”, do genial W. A. Mozart (1756-1791), que tem atravessado séculos com o mesmo encantamento, será apresentada no Theatro Municipal de Paulínia de 28 de setembro a 1º de outubro, de quinta-feira a sábado, às 20h, e no domingo, às 18h. Sob a batuta da regente Cinthia Alireti, participações da Orquestra Sinfônica da Unicamp, da Ópera Estúdio Unicamp, do Coral Unicamp Zíper na Boca e do Coro Contemporâneo de Campinas. A entrada é gratuita, com distribuição de ingressos uma hora antes dos espetáculos.

Além da importância artística para a universidade, com “A Flauta Mágica”, o Centro de Integração, Documentação e Difusão Cultural da Unicamp (Ciddic) inicia um projeto que pretende tornar suas produções mais acessíveis ao público com deficiência. Todas as récitas contam com recursos de acessibilidade, como legenda em português brasileiro atual, que irá proporcionar uma leitura ágil e aproximar o público do texto da ópera – pensada originalmente para atender ao público surdo. Esta legenda acabou por se tornar um recurso de universalidade para a produção artística. Haverá, também, entrada acessível e reserva de lugares para pessoas com deficiência visual, em cadeira de rodas ou com mobilidade reduzida.

Desafio técnico

“A Flauta Mágica” foi uma das últimas obras escritas por Mozart, em 1791, dois meses antes de sua morte, enquanto escrevia o “Réquiem”, e já se encontrava com saúde debilitada e afligido por grande dificuldade econômica. Mesmo assim, compôs uma peça considerada marco na antologia operística.

Em dois atos, com libreto alemão de E. Schikaneder, trata-se de um Singspiel alemão, gênero musical típico da época, cuja maior característica é a alternância de trechos musicais com o diálogo falado em vez do cantado, além da presença de personagens da cultura popular, como Papageno e Papagena.

Segundo o diretor do Ópera Estúdio Unicamp, Angelo Fernandes, a peça foi influenciada pelos ideais iluministas que buscavam uma maior valorização da visão de um mundo racional, no qual a sabedoria aparecia como elemento fundamental para que houvesse justiça e igualdade entre os homens. “Trata-se de uma ópera de formação que procura ilustrar as dificuldades pelas quais o homem precisa passar para deixar as trevas do pensamento medieval em direção à luz iluminista”.

Do ponto de vista técnico, “é importante notar que Mozart compôs esta ópera baseado nas habilidades dos cantores que atuariam na noite de estreia, incluindo tanto cantores virtuosos quanto atores comuns de comédia, convidados para cantar na ocasião. Desta forma, alguns personagens são bastante explorados do ponto de vista técnico-vocal como é o caso da Rainha da Noite, enquanto outros, como Papageno e Monostatos são mais explorados cenicamente”, afirma.

Para Fernandes, os elementos musicais e cênicos tornam qualquer montagem desta ópera um tanto complexa, exigindo que os cantores estejam muito bem preparados e sejam rigorosamente dirigidos tanto musical quanto cenicamente. Por outro lado, a textura musical, a orquestração, as características de cada personagem e as linhas vocais aproximam esta obra de jovens cantores, tornando-a adequada para ser executada por alunos de graduação e pós-graduação que, embora estejam em formação, já apresentam o desenvolvimento técnico-musical suficiente.

Fernandes destaca que este tipo de realização é bastante rara no âmbito acadêmico no Brasil. “O projeto de montagens de óperas tem contribuído enormemente com a formação dos alunos de canto da Unicamp que hoje são destaques no cenário lírico nacional, como também em diversos cursos de pós-graduação em Performance nos Estados Unidos e na Alemanha. Além de contribuir com a formação dos estudantes de canto, as montagens colocam a Orquestra Sinfônica da Unicamp em um outro patamar, uma vez que poucas orquestras brasileiras não especializadas neste repertório lírico apresentam óperas na íntegra”.

Contradições da fábula encantada

“Uma fábula encantada, um discurso sobre ideais iluministas ou ainda uma propaganda maçônica escrita no final do século XVIII. De qualquer ângulo visto, ‘A Flauta Mágica’ foi concebida como uma “Zauberoper” (ópera mágica), a ver pelo enredo e personagens – rainha, feiticeiro, princesa, cobra gigante, instrumentos mágicos – com a intenção de quebrar paradigmas. E é através da trama musical que Mozart expressa a maior parte dessas contradições”, analisa a regente Cinthia Alireti.

Por exemplo, a estória de uma princesa salva por um príncipe corajoso é reescrita para um príncipe covarde, Tamino, que é presenteado com uma flauta mágica – instrumento fálico – para que consiga enfrentar todos os perigos da sua missão de resgate. Sarastro, descrito em um primeiro momento como o cruel feiticeiro que sequestrou a princesa Pamina, se revela, no segundo ato, como o líder justo e racional da fraternidade – a ver pelas suas árias serenas, quase religiosas – em oposição à fúria e irracionalidade “vocal” da rainha da noite e das mulheres em geral – um pequeno toque de misoginia na história da ópera ocidental.”

“É interessante notar”, diz a regente, “como a produção desta ópera tão popular ainda seja surpreendente nos dias de hoje não somente pelo contraste entre a simplicidade e a alta elaboração musical, mas também pela busca de diversas linhas dramático-filosóficas. Talvez a razão para isto seja porque, de acordo com as últimas pesquisas, o libreto tenha sido escrito, de fato, por várias mãos, assim como a nossa montagem”.

Acessibilidade

Por meio de parcerias entre o Ciddic, o Laboratório de Acessibilidade/BCCL e o Laboratório de TILS/PRG, ambos da Unicamp, foram construídos recursos para garantir a acessibilidade aos espetáculos. A assistente de produção da Sinfônica da Unicamp, Nicole Somera, destaca a realização de treinamento para recepção e acompanhamento do público com deficiência física.

“Nas récitas de quinta-feira e domingo teremos uma palestra ‘menu’, descrevendo com detalhes o cenário, figurinos, personagens e ambientando as pessoas com deficiência visual ao enredo da ópera, bem como audiodescrição ao vivo. Exclusivamente para a récita da quinta-feira, a recepção do público surdo será feita por uma intérprete em Língua Brasileira de Sinais (Libras)”, detalha.

Elencos

1) Quinta e Sábado:

Sarastro: Raphael Domeniche, baixo

Tamino: Tiago Roscani, tenor

Primeiro sacerdote: Willian Donizetti, barítono

Segundo sacerdote: Gustavo Caires, tenor

Rainha da Noite: Daiana Melo, soprano

Pamina: Lara Ramos, soprano

Primeira Dama: Rebeca Oliveira, soprano

Segunda Dama: Carolina Carvalho, mezzo-soprano

Terceira Dama: Nina Ferrari, contralto

Primeira criança: Sarah Nicoli, soprano

Segunda criança: Ana Meirelles, mezzo-soprano

Terceira criança: Ana Clara Silva, mezzo-soprano

Papaguena: Juliana Melleiro, soprano

Papagueno: Leandro Cavini, barítono

Monostatos: Clóvis Português, tenor

Grupo de escravos: Eduardo Lustosa, tenor; Matheus Coelho, barítono; Fernando Girotto, baixo; Vitor Italiani, baixo.

2) Sexta e domingo:

Sarastro: Raphael Domeniche, baixo

Tamino: Daniel Duarte, tenor

Primeiro sacerdote: Willian Donizetti, barítono

Segundo sacerdote: Gustavo Caires, tenor

Rainha da Noite: Maria Rúbia Andreta, soprano

Pamina: Beatriz Esposito, soprano

Primeira Dama: Rebeca Oliveira, soprano

Segunda Dama: Isabelle Zomignani, soprano

Terceira Dama: Rafaela Haddad, mezzo-soprano

Primeira criança: Sarah Nicoli, soprano

Segunda criança: Ana Meirelles, mezzo-soprano

Terceira criança: Ana Clara Silva, mezzo-soprano

Papaguena: Maria Augusta Bacellar, soprano

Papagueno: Heitor Coelho, barítono

Monostatos: Samuel Valli, tenor

Grupo de escravos: Eduardo Lustosa, tenor; Matheus Coelho,barítono; Fernando Girotto, baixo; Vitor Italiani, baixo.

Serviço

Ópera “A Flauta Mágica”

Orquestra Sinfônica da Unicamp – regência de Cinthia Alireti

Ópera Estúdio Unicamp – direção de Angelo Fernandes

Coral Unicamp “Zíper na Boca” – regência de Vivian Nogueira

Coro Contemporâneo de Campinas – regência de Angelo Fernandes

Felipe Venâncio, direção cênica

Cinthia Alireti, direção musical

Denise Garcia, design sonoro

Angelo Fernandes, direção artistica

Quando:

28, 29 e 30 de setembro de 2017, 20h (quinta a sábado);

01 de outubro de 2017, 18h (domingo).

Onde: Theatro Municipal de Paulínia (Av. Pref. José Lozano Araújo, 1551 – Parque Brasil 500, Paulínia/SP). Telefone: (19) 3933-2140.

Entrada gratuita. Retirada de ingressos com uma hora antes dos espetáculos.

Pessoas com deficiência: ópera com recursos de acessibilidade disponíveis, mediante reservas pelo formulário:http://tinyurl.com/aflautamagica

Classificação indicativa: 12 anos.

Rhodia oferece 70 vagas de estágio

Inscrições vão até o dia 30 de setembro. Processo seletivo é da Companhia de Estágios.

A Rhodia Solvay está oferecendo 70 vagas em seu programa de estágio para as unidades de Paulínia, Santo André, São Bernardo do Campo, Brotas, Itatiba, Taboão da Serra, e nos escritórios centrais da empresa, em São Paulo.

O programa tem duração de dois anos e a empresa pede dos candidatos inglês intermediário, conhecimento básico de informática e disponibilidade para estagiar 18, 24 ou 30 horas.

Para saber mais sobre o programa, acesse: Rhodia Solvay.

Atenção: as inscrições vão até o dia 30 de setembro pelo link que segue: Companhia de Estágios.

As vagas são para estudantes dos cursos superiores de:

Administração,

Análise de Sistemas,

Ciência da Computação,

Comércio Exterior,

Contabilidade,

Economia,

Letras,

Psicologia,

Recursos Humanos,

Sistemas de informação,

Ciências Contábeis,

Engenharias,

Engenharia da Computação,

Engenharia de Automação e Controle,

Engenharia de Controle e Automação,

Engenharia de Materiais,

Engenharia de Produção,

Engenharia Elétrica,

Engenharia Mecânica,

Engenharia Produção,

Engenharia Química,

Jornalismo,

Logística,

Marketing,

Engenharia de Meio Ambiente,

Química,

Relações Públicas ou Secretariado.

Subscribe to this RSS feed
Sportbook sites http://gbetting.co.uk/sport with register bonuses.