Erro
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 42
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 203
Tecnologia

Tecnologia (339)

Anatel proíbe a venda de microcelular; aparelho é popular em presídios

Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) ordenou que o Mercado Livre retire imediatamente os microcelulares do site. O motivo da determinação é a irregularidade dos aparelhos no Brasil, já que eles não passaram por homologação, nem receberam certificação do órgão. Se a loja online descumprir o ofício, recebido na última quarta-feira (17), poderá ser multada pela agência reguladora.

A íntegra do documento foi disponibilizada pela agência e lista 19 produtos com selos de homologação falsos ou irregulares. O TechTudo checou os links e, até às 20h desta quinta-feira (18), a maioria já havia sido retirada do ar. Apesar disso, uma das páginas ainda estava disponível e foi possível achar facilmente outras com produtos idênticos.

O principal problema dos microcelulares é sua entrada maciça nas penitenciárias brasileiras. Esses aparelhos passam despercebidos pelos detectores de metal, já que são muito pequenos e compostos até 99% por plástico.

As funcionalidades restringem-se ao recebimento e envio de ligações e mensagens do tipo SMS. Eles são considerados dumbphones, pois não possuem características de um dispositivo inteligente. Não é possível instalar os mensageiros WhatsApp e Telegram num equipamento deste, por exemplo.

A aparência muitas vezes lembra a de brinquedos, especialmente pela disponibilidade em cores chamativas. Os modelos têm preço médio de R$ 230, mas é possível encontrar microcelulares mais simples por cerca de R$ 70.

A Anatel disse que a ação foi motivada por reportagens divulgadas em jornais impresso e online. A operação foi realizada pela gerência de São Paulo, onde se localiza a sede do Mercado Livre. "A homologação do produto garante ao usuário a qualidade e a segurança do aparelho e é necessária para a comercialização de celulares no país. Produtos identificados no ofício apresentam selos de homologação falsos ou irregulares", informou a agência em nota.

 

O Mercado Livre informou ao TechTudo que identificou os anúncios denunciados pela Anatel e providenciou sua remoção. "Os anúncios não estão de acordo com os Termos e Condições do site, que determinam que qualquer produto deve cumprir os requisitos legais aplicáveis, no caso a homologação pela agência reguladora, para ser colocado à venda", disse a nota da empresa.

Europol diz que é muito cedo para especular sobre autores do ciberataque

A Europol, agência de polícias do continente europeu, afirmou nesta terça-feira, 16, que é "muito cedo" para especular sobre os autores do ciberataque mundial após a descoberta de um provável vínculo com a Coreia do Norte.

"Estamos dispostos a investigar todas as pistas, mas não especulamos e não podemos confirmar", disse à AFP Jan Op Gen Oorth, porta-voz da Europol. "É muito c edo para dizer qualquer coisa", completou.

Neel Nehta, um técnico do Google, publicou na internet os códigos que mostram semelhanças entre o vírus "WannaCry", que afetou dezenas de milhares de computadores em 150 países, e outra série de códigos de ataques atribuídos a Coreia do Norte.

Os especialistas concluíram rapidamente que os indícios, embora não sejam totalmente conclusivo, provam que a Coreia do Norte está por trás do ataque considerado como algo sem precedentes pela Europol.

"Isto pode vir de qualquer parte, de qualquer país", afirmou Jan Op Gen Oorth. "A investigação continua", completou.

A Europol atualizou os números de vítimas do ataque: a quantidade de endereços IP infectados nesta terça-feira era de 165.000, o que representa uma redução de 38% em relação aos 226.800 registrados no domingo.

O ataque não reivindicado foi realizado com um malware chamado "WannaCry", que criptografa os arquivos de um computador e pede um resgate para a liberação dos documentos, neste caso de 300 dólares.

 

A Europol indicou que 243 pagamentos foram realizados pelas vítimas, o que representa quase 63.000 dólares.

Golpe que oferece Netflix grátis por 1 ano rouba dados pessoais

Está sendo compartilhado em grupos do WhatsApp uma promoção falsa da Netflix que oferece um ano grátis do serviço. Para participar, os interessados devem informar os dados pessoais e do cartão de crédito, além de indicar um amigo. Assim, o site rouba as informações e ainda tem a chance de pegar dados de outros usuários.

Apesar de ter uma identidade visual idêntica à do site original da Netflix, o nome da empresa aparece escrito com dois "is" no endereço de acesso, como pontuado pelo especialista Ronaldo Prass no G1.

 

O duplo "i" no endereço passa despercebido por grande parte dos internautas, e torna o golpe ainda mais eficiente. A mensagem que está sendo circulando no WhatsApp pede ainda que o usuários compartilhe com 10 contatos para divulgar a promoção.

Golpe no WhatsApp promete ovo da Kopenhagen

Após o falso vale-presente das lojas O Boticário, um novo golpe está circulando no WhatsApp no Brasil. Desta vez, criminosos usam um falso vale-presente da Kopenhagen prometendo um ovo de Páscoa de graça. De acordo com a startup brasileira de segurança PSafe, o golpe começou a ser propagado no app de mensagens há 24 horas e já afetou mais de 300 mil brasileiros que acreditaram na mensagem divulgada.

O golpe funciona de maneira similar ao das lojas O Boticário, propagado na última semana na internet: o usuário recebe, pelo aplicativo de mensagens, um convite para participar da promoção da Kopenhagen. Ao clicar no link, a vítima é direcionada para uma página na qual deve responder a três perguntas sobre a marca como, por exemplo, "você fez compras na Kopenhagen no ano passado?". Em seguida, ela é incentivada a compartilhar o link da promoção com 10 amigos via WhatsApp. Se fizer isso, a falsa promoção diz que o usuário poderá retirar um ovo Língua de Gato em lojas Kopenhagen.

Para completar o golpe, o criminoso ainda pede que o usuário se cadastre em sites maliciosos - que podem causar prejuízos financeiros - ou baixar aplicativos falsos, que podem infectar o smartphone e deixá-lo vulnerável a outros tipos de crimes virtuais. O ataque ainda conta com comentários falsos elogiando a promoção, com o intuito de deixar o golpe mais verossímil.

 

“Essa falsa campanha apresentou uma rápida curva de crescimento na quantidade de acessos nas últimas horas, o que nos leva a crer que os cibercriminosos estão fazendo sua divulgação por meio de propagandas incentivadas em outras plataformas além do aplicativo de mensagens instantâneas”, comenta Emilio Simoni, gerente de Segurança da PSafe, por meio de nota.

Não é verdade! E-mail da Receita alerta sobre investigação de sonegação fiscal

Em época de entrega da declaração do Imposto de Renda, um e-mail atribuído à Receita tem preocupado contribuintes. Ele diz que uma denúncia anônima fez com com que uma investigação fosse iniciada, lançando uma suspeita de sonegação fiscal e pedindo que um formulário seja preenchido. O e-mail é falso.

Segundo a Receita Federal, quadrilhas especializadas em crimes pela internet enviam mensagens eletrônicas que servem como meio para os criminosos obterem ilegalmente informações fiscais, bancárias e cadastrais do contribuinte. Ao clicarem em links ou baixarem anexos, os usuários têm seus computadores infectados por vírus e programas que permitem o acesso aos dados. Até mesmo um falso site da Receita pode ser acessado inadvertidamente pelo internauta.

No e-mail que circula atualmente, há a informação de que uma denúncia anônima deu início a uma investigação que constatou vestígios de sonegação fiscal por parte do contribuinte.

O texto pede para o contribuinte preencher um formulário com o objetivo de colaborar com a investigação e evitar transtornos. O usuário, então, é levado a clicar em um link para ter acesso ao formulário, em um anexo, que deve ser entregue em uma unidade da Receita de sua cidade. Isso permite o acesso do hacker aos dados.

Para ameaçar o contribuinte, o e-mail diz que, caso o formulário não seja preenchido, poderá haver quebra dos sigilos bancário e telefônico, apreensão de bens e até um pedido de prisão. Uma leitura atenta permite perceber que há erros de pontuação e grafia, como na palavra "medidas".

Outros golpes

O e-mail que circula é apenas um dos conhecidos da Receita, que lista outros, como o que exibe um botão para download do programa da declaração do Imposto de Renda, um que reforça a necessidade de envio de uma declaração retificadora e um que avisa sobre valores residuais de restituições do Imposto de Renda a serem recebidos pelo destinatário. Todos são golpes.

A Receita esclarece que não manda mensagens via e-mail sem a autorização do contribuinte nem autoriza terceiros a fazê-lo em seu nome. “A única forma de comunicação eletrônica com o contribuinte é por meio do Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-CAC). A orientação ao internauta que se deparar com esses e-mails é não responder, não abrir arquivos anexados nem acessar links. Para esclarecer dúvidas ou informações adicionais, os contribuintes podem procurar as unidades da Receita, acessar a página na web ou entrar em contato com o Receitafone (146)."

O órgão reforça ainda que os golpes não ocorrem apenas pela internet. "Todos os anos, especialmente no período de entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física, falsários se passam por servidores da Receita Federal tentando extrair dados fiscais e bancários dos contribuintes", diz.

"A Receita Federal alerta para a modalidade de golpe também aplicada por meio de correspondências físicas. As cartas se intitulam 'Intimação para regularização de dados cadastrais', são identificadas com o logotipo e o nome da Receita Federal e pedem que o contribuinte entre em um endereço eletrônico que não pertence ao órgão. Tais correspondências são falsas e não são enviadas pela Receita Federal. Em caso de recebimento de uma carta no formato abaixo, apenas a despreze e não acesse o site indicado", informa.

 

É ou não é?’, seção de fact-checking (checagem de fatos) do G1, tem como objetivo conferir os discursos de políticos e outras personalidades públicas e atestar a veracidade de notícias e informações espalhadas pelas redes sociais e pela web. Sugestões podem ser enviadas pelo Fale Conosco ou pelo Whatsapp/Viber, no telefone (11) 94200-4444, com a hashtag #eounaoe.

Microsoft vai pagar até US$ 15 mil para quem encontrar bugs no Office

A Microsoft lançou um novo programa de recompensas para desenvolvedores que encontrarem bugs nas versões desktop mais recentes do Microsoft Office. Os bônus variam entre US$ 500 e US$ 15.000, dependendo do perigo e complexidade do problema encontrado.

Microsoft anuncia fim do suporte ao Windows Vista; saiba o que muda

O programa foi iniciado na última quarta-feira (15) e dura até o dia 15 de junho de 2017. Só serão válidas as vulnerabilidades descobertas nas versões de teste do Microsoft Office Insider, um programa semelhante às edições de desenvolvimento (builds) do sistema operacional Windows 10.

Para ser qualificado para participar do programa, os usuários precisam ter, no mínimo, 14 anos, com permissão de responsáveis legais (caso sejam menores de idade), serem pesquisadores individuais, residir em um país que não esteja sob sanções dos Estados Unidos, não ser funcionário da Microsoft ou parente de um e não estar envolvido na execução do programa.

Os bugs procurados pela Microsoft são relacionados a vulnerabilidades ainda não identificadas e que possam ser reproduzidas na versão mais recente do Microsoft Office Insider, acompanhadas do número da versão em que elas são encontradas. As falhas também precisam ter instruções claras sobre como executá-las para garantir o maior pagamento possível.

A desenvolvedora adiciona que está especialmente interessada em problemas relacionados à elevação de privilégios através do modo sandbox, que ignoraram restrições para execução de macros sem consentimento do usuário e da lista de bloqueio de extensões do Outlook.

Qual o melhor Windows de todos os tempos? Comente no Fórum do TechTudo.

Para receber o pagamento, os desenvolvedores devem estar atentos aos critérios estabelecidos pela Microsoft (technet.microsoft.com) como indicar vulnerabilidades originais e não reportadas anteriormente no desenvolvimento do Office Insider atual em um Windows 10 desktop e a adição de etapas que sejam fáceis de entender e reproduzir — sendo claros e objetivos.

 

Os desenvolvedores interessados podem enviar seus relatórios por e-mail (O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ), seguindo todas as instruções impostas pela fabricante em seu relatório de vulnerabilidade (technet.microsoft.com/pt-br/security).

Nokia traz de volta 'tijolão' 3310 e lança mais três celulares

 

 

 

A Nokia trouxe de volta o Nokia 3310, o celular “ tijolão indestrutível” dos anos 2000, e lançou três novos smartphones com Android 7.0 Nougat na MWC (Mobile World Congress), em Barcelona, na Espanha. A nova versão do Nokia 3310 foi anunciada neste domingo (26) em quatro cores: vermelho, amarelo, preto e prata. Relançado no evento, o celular conta com o tradicional jogo da cobrinha (Snake) e o popular ringtone da famosa fabricante finlandesa.

BlackBerry KEYone já tem data para início das vendas e preço revelado

Aguardado pelos fãs do antigo "tijolão", o telefone promete 22 horas de conversação, dez vezes mais do que o modelo original. Além disso, a fabricante afirma que o celular funciona em standby por até um mês. A tela tem 2,4 polegadas e há teclado numérico, entrada micro USB, saída para fone de ouvido de 3.5 mm e câmera de 2 MP com flash. Segundo o site da Nokia, o 3310 está disponível em duas versões com SIM card (chip) único e também dual SIM (dois chips).

Recomendado para você

Com dimensões de 115.6 x 51 x 12.8 mm, o aparelho navega em rede 2G. Ao lado de tantos Androids, o 3310 vem com sistema operacional Nokia Series 30+, tem apenas 16 MB de memória interna, expansível para até 32 GB se usado cartão Micro SD. Vem ainda conexão bluetooth,  rádio FM e MP3 player.

Informações sobre a bateria do 3310

Tipo: 1200 mAh battery5

Conversação: máximo de 22 horas.

Standby: máximo de 31 dias

MP3 playback: máximo de 51 horas

Radio FM playback: máximo de 39 horas

Na Europa, o preço sugerido para o aparelho é de € 49 (cerca de R$ 160, sem taxas ou impostos).

Nokia 6

A Nokia também revelou o Nokia 6, um novo smartphone com Android N (Android Nougat 7.0) e tela de 5,5 polegadas Full HD revestida por Gorilla Glass. O aparelho já estava à venda na China, mas agora deve chegar em todos os países. Com integração ao Google Assistente(disponível antes apenas no Google Pixel), o novo telefone também traz câmeras de 16 MP e 8 megapixels, além de processador Snapdragon 430 e memória RAM de 4 GB (Arte Black) ou 32 GB (demais cores).

O celular tem display com tecnologia anti-reflexiva, leitor de impressão digital e alto-falantes Dolby, para experiência mais imersiva. O Nokia 6 chega ao mercado internacional por  € 229 (cerca de R$ 752, sem taxas, no câmbio do dia). Já a versão especial Arte Black tem preço de  € 299 (R$ 982).

Nokia 5 e Nokia 3

Outros dois smartphones anunciados durante a MWC 2017 são o Nokia 5 e o Nokia 3, modelos com especificações intermediárias, abaixo do Nokia 6, rodando o mesmo Android 7.0 Nougat.

O Nokia 5 tem sensor de impressão digital e display de 5,2 polegadas com proteção Gorilla Glass. Suas especificações também contam com processador Qualcomm Snapdragon 430 e memória RAM de 2 GB. Na Europa, o preço anunciado é de € 189 (R$ 620). O celular está disponível em quatro opções de cores metálicas: azul temperado, prata, preto matte e cobre.

Já o Nokia 3 tem câmeras com 8 megapixels e foco automático, além da tela de 5″ com resolução HD, processador MediaTek quad-core de 1,3 GHz e memória RAM de 2 GB. O valor é de € 139 (R$ 456). O celular conta com modelos disponíveis nas mesmas quatro cores também metalizadas: azul temperado, prata com branco, preto matte e cobre com branco.

A fabricante ainda não revelou quando o Nokia 3310 e os três novos smartphones chegarão às lojas. Também não há informações sobre o preço praticado no Brasil e se todos os modelos serão vendidos no país.

 

A Nokia também anunciou um smartwatch chamado Activité Steel, além de tecnologias para colaborar com a saúde. Monitores e câmeras para a casa poderão ajudar a tratar doenças crônicas e conectar pacientes e médicos.

Safety Check do Facebook agora permite oferecer ajuda em catástrofes

 

 

 

Nesta quarta-feira (8), o Facebook anunciou uma nova ferramenta que promete ajudar vítimas de tragédias — além do simples aviso de que "está tudo bem". Trata-se do Community Help, que funciona como um complemento ao Safety Check. Em tradução livre a nova ferramenta significa “Ajuda da Comunidade” e é justamente isso o que Facebook pretende promover.

Facebook ativa Safety Check pela primeira vez no Brasil em São Paulo

Com essa atualização, as pessoas poderão oferecer ajuda, comida, abrigo e transporte durante qualquer situação catastrófica como terremotos, enchentes, furacões ou até mesmo ataques terroristas.

O Community Help é mais uma ferramenta que surge após o Facebook analisar os padrões e formas de uso das suas funções dentro da plataforma. O Safety Check surgiu justamente porque percebeu-se que as pessoas, naturalmente, publicavam em seus feeds que estavam bem assim que possível. O Safety Check apareceu para facilitar esse tipo de contato.

Aplicativo do TechTudo: receba as melhores dicas e últimas notícias no seu celular

Também é comum que, após algum acontecimento trágico, que afete milhares de pessoas, os usuários se mobilizem em grupos para fornecer ajuda. Foi assim depois das inundações de Chennai, na Índia. O Community Help surge com a intenção de facilitar esse trabalho. Os membros da rede social poderão trocar mensagens diretamente com outras pessoas depois de um incidente.

Como funciona o Help Community

Todas os posts serão organizados em categorias e locais. Isso facilitará que os familiares e amigos das vítimas encontrem o que e quem eles precisam. A própria ferramenta notificará os interessados.

A nova ferramenta foi criada levando em consideração a opinião de especialistas de organizações humanitárias de salvamento e também pesquisadores de campo. Os grupos ajudaram o Facebook a entender como poderia facilitar o encontro de pessoas em situações tão delicadas.

 

O Community Help será primeiramente testado na Arábia saudita, Austrália, Canadá, Estados Unidos e Índia em desastres naturais como incêndios e terremotos. À medida que o Facebook aprender com as pessoas que usarem a ferramenta, vai expandir para mais países e outras situações.

Aprenda a usar o WhatsApp Web

Lá no celular, acesse os ajustes e clique em “WhatsApp Web”. Você só precisa escanear o QR Code que está no computador pra conectar os dois aparelhos. Mas olha só: o celular e o computador precisam estar conectados na mesma rede de Wi-Fi, tá? Além disso, se o celular ficar sem bateria ou sem internet, o computador não vai mostrar as mensagens recebidas, porque ele só projeta a tela do aplicativo.

Agora que já está tudo conectado, dá pra fazer tudo o que o aplicativo de celular faz: visualizar e responder mensagens, silenciar conversas, criar grupos, enviar fotos, vídeos, documentos e áudio – ah, pra enviar áudios, é preciso estar com o microfone do computador ligado, viu?

 

Novo golpe no WhatsApp promete 'visualizador de conversa' de contatos

Um novo golpe que promete recursos extras para o WhatsApp já afetou mais de 1,2 milhão de usuários brasileiros em duas semanas. O ataque, revelado pela empresa de segurança ESET, afirma permitir que as vítimas visualizem as conversas de seus contatos no mensageiro, uma opção chamada “Visualizador de conversas para o WhatsApp”.

Após enganar o usuário, o falso recurso o leva a realizar inscrições em serviços de mensagens de celular pagos, que podem fazer débitos indevidos em seu nome ou instalar apps falsos que roubam os seus dados.

Para ativar o recurso falso, o ataque se propaga através de links maliciosos que prometem mostrar com quem os seus amigos estão conversando. Ao tocar nele, a vítima é levada a uma página que pede o compartilhamento do endereço com os contatos para que a funcionalidade seja liberada. Em seguida, o usuário é levado a uma plataforma de publicidade, onde é induzido a se inscrever em um serviço de mensagens pagas via SMS.

Segundo o levantamento da ESET, o golpe atingiu cerca de 1,5 milhão de pessoas em todo o mundo, sendo o Brasil o país mais afetado. O ataque teria começado no dia 18 de novembro.

Golpes pelo WhatsApp crescem nos últimos meses

O número de tentativas de golpes no aplicativo aumentou nos últimos meses. Nove tipos de ataques foram identificados somente em 2016. A maior parte deles procura inscrever os usuários em serviços pagos.

Além da promessa de ver as conversas dos contatos, os golpes também prometiam chamadas de vídeo premium, pacotes de emoticons românticos ou cupons de desconto falsos para lojas e restaurantes de marcas famosas.

Subscribe to this RSS feed
Sportbook sites http://gbetting.co.uk/sport with register bonuses.