Quatro empresas disputam obra da ponte estaiada em Paulínia

0

Quatro empresas se apresentaram para disputar a licitação pública que vai definir a construtora da ponte estaiada sobre o Rio Atibaia, em Paulínia

Quatro empresas se apresentaram para disputar a licitação pública que vai definir a construtora da ponte estaiada sobre o Rio Atibaia, em Paulínia, interligando a Vila Monte Alegre e o bairro João Aranha. A obra é aguardada há sete anos, pois apenas a ponte da Rua José Paulino sobre o rio Atibaia une as duas regiões. A ponte estaiada vai desafogar o trânsito intenso no Centro de Paulínia, por ser uma das vias mais utilizadas pela população na região central da cidade.

O prazo de apresentação de empresas interessadas venceu ontem e dentro de aproximadamente 15 dias a Comissão de Licitação deverá realizar a abertura das propostas. Caso tudo esteja dentro da legalidade e de acordo com o edital publicado em dezembro do ano passado a empresa vencedora, ou consórcio, poderá ser conhecida em fevereiro.

Nos próximos dias, as quatro empresas serão avaliadas pela Comissão de Licitação para que sejam devidamente habilitadas. A expectativa da Prefeitura é de que todas as empresas que se apresentaram estejam dentro da legalidade e das regras definidas em edital.

Caso haja impugnação de alguma empresa, haverá um prazo para recurso. Por isso, estima-se que em 15 dias a Prefeitura consiga abrir os envelopes com as propostas. Vencerá quem der o menor preço. Todas as despesas da obra serão custeadas com recursos do próprio orçamento municipal.

A nova ponte sobre o rio Atibaia deverá desafogar o trânsito da região central nos períodos de pico, principalmente no horário da volta para a casa. O prazo de construção é de 24 meses a partir da emissão da Ordem de Serviço (OS) pela Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos.

Longa espera
Em sete anos, esta é a quinta tentativa do município de contratar empresa para a execução da obra. O primeiro edital é de 2012 e, naquela época, a construção estava orçada em R$ 29,7 milhões. Agora deve custar R$ 72,4 milhões, uma diferença de R$ 42,7 milhões entre os dois editais.

Os outros três editais foram lançados em 2013 e dois em 2015, nas modalidades concorrência e tomada de preço. Nenhuma dessas tentativas vingaram. O prefeito Du Cazellato (PSDB) está otimista com a construção que é tão aguardada pela população. “Um grande passo já foi dado para tirar do papel uma obra tão aguardada por toda cidade e que vem de encontro com os anseios da população”, afirmou.

No final de semana passado houve uma tentativa de adiar o processo por meio de uma representação no Tribunal de Contas de São Paulo (TCE-SP) que questionou trechos do edital da Prefeitura. O TCE não concedeu a liminar porque não houve tempo hábil para avaliar. A representação que tentava impugnar foi protocolada no domingo passado, às 17h23 e a sessão de abertura das empresas interessadas já estava previsto para ontem, às 10h.

Estaiada
O prefeito afirmou que, por ser uma ponte estaiada, o impacto ambiental será menor. O edital lançado em 21 de dezembro do ano passado prevê a construção de um sistema viário que ligará as avenidas João Aranha e dos Trabalhadores, incluindo a ponte que será estaiada.

O projeto prevê a construção de duas faixas, cada uma em um sentido. A via será de 3,50 metros por sentido de tráfego, ciclovia e calçadas para pedestres. Ao todo, a interligação deverá ter aproximadamente 25 metros de largura.

Os engenheiros defiram também que a nova ponte deverá ter 260 metros de extensão – 120 m estaiados e 140 m convencionais. O edital também contempla toda infraestrutura necessária para a construção do sistema viário, incluindo serviços de terraplanagem, pavimentação, calçamento, pintura e iluminação pública.

Fonte: Correio Popular