Tite convoca goleiro Ivan da Ponte Preta para defender a Seleção Brasileira

0

Goleiro  ficou sabendo de convocação para a Seleção dentro de avião; veja o vídeo abaixo

A Ponte Preta é o Brasil: o goleiro pontepretano Ivan foi confirmado por Tite entre os 23 jogadores convocados para integrar a Seleção Brasileira nos amistosos dos dias 6 e 10 de setembro, contra Colômbia e Peru, respectivamente. O arqueiro estava já no avião que vem de Florianópolis, onde a Macaca venceu o Figueirense ontem assumindo a quarta colocação da série B, e foi aplaudido pelos passageiros dentro da aeronave.

“Não dá nem pra acreditar! Esperava a convocação pra Seleção Olímpica, mas para defender a seleção principal? É uma sensação única, estou muito emocionado! Agradeço demais não só ao Tite e à CBF, mas a todos os que acreditaram em mim: a Ponte Preta, minha família, meus amigos, a todos e a Deus”, pontua o jogador, que é o primeiro convocado da Macaca para a Seleção Brasileira principal desde 2002, quando Wahington foi convocado para amistosos.

Antes, em 2001, Leão convocou Mineiro e Washington – em 2003, Ricardo Gomes convocou Alexandre Negri para a Copa Ouro da Concacaf, mas aquela seleção era SUB23. “Estamos muito felizes que depois de tanto tempo a Ponte Preta volte a servir a Seleção Brasileira”, comemora o presidente pontepretano José Armando Abdalla Jr.

O técnico Tite explicou que convocou Ivan porque ele vem chamando atenção pela boa performance e conquistou um espaço “para formação” dentro da Seleção Canarinho. “Estou chamando o Ivan dentro da ótica dos amistosos de usar atletas mais jovens para se consolidar, trazer bons atletas jovens n sentido de formação, de crescimento”, afirma Ivan, que se apresenta na Seleção em primeiro de setembro.

Neste ano, Ivan já defendeu a Seleção Brasileira Pré-Olímpica. Titular em quatro dos cinco jogos no Torneio de Toulon, o goleiro de 22 anos inclusive garantiu o título de Campeão para o Brasil. Ao defender o último dos cinco pênaltis cobrados pelo Japão –a partida foi decidida nas penalidades após o empate em 1 a 1 no tempo normal – e fez com que o time do técnico André Jardine se sagra-se campeão invicto na competição (o último título do Brasil no torneio francês foi em 2014).